Menu da festa

Com o chef Eduardo Pinheiro

A cozinha dele é, de fato, simplesmente um luxo. Apaixonado e orgulhoso de seu oficio, Eduardo emprega seu talento para dignificar a gastronomia e transformar comida em arte. Com pratos personalizados e menus criativos, suas receitas surpreendem e reinventam o sabor, que se traduz em forma, beleza, espírito e desejo. Momentos inesquecíveis que fazem do bem comer um dos maiores prazeres da vida.

EF. Quais os pratos mais presentes nos casamentos sofisticados?
EP. Canapés delicados, blinis, folhados, saladas saborosas, peixes nobres, sorbets refrescantes, mignons, massas preparadas com farinha de grano duro e risotos fazem parte das melhores festas de casamentos. Também não podemos esquecer do bolo dos noivos ou das sobremesas mais elaboradas, dos docinhos e os tradicionais bem casados que encerram esses eventos.

EF. Qual bebida que melhor se harmoniza com esses pratos?
EP. Vinhos, brancos ou tintos, e champagnes, dependendo dos pratos servidos. Hoje, no Brasil, temos excelentes espumantes que, servidos durante toda a festa, dão a ela um toque de sofisticação, ao mesmo tempo em que lembram todos os convidados da importância da comemoração.

EF. Que cardápio mais impressiona as noivas?
EP. Temos noivos de vários tipos: tradicionais, modernos, conservadores, ousados, etc. Por isso, gosto de ouvi-los primeiro para saber o que têm em mente e como idealizam seu casamento. Depois definimos junto o cardápio. Muitas vezes os noivos tem a tendência de exagerar a quantidade de pratos pedidos, por achar que dessa maneira irão impressionar seus convidados. Então converso com eles e explico que um bom cardápio tem que ter QUALIDADE e apresentação, e não quantidade.

EF. E o mais exótico?
EP. Gosto mais dos cardápios que têm apenas alguns toques exóticos do que aqueles que são integralmente. Podemos fazer casamentos criativos desde que levemos em consideração fatores como o horário da festa, o clima, o ambiente e, principalmente, o perfil e q quantidade dos convidados. Quanto maior for o número de convidados, mais difícil será contentarmos a todos. Por isso, devemos ter sempre muito bom senso na escolha do cardápio.

EF. Você se identifica com a culinária fusion?
EP. Sim, acho que chegamos num ponto na culinária em que já experimentamos quase tudo. A fusion é uma saída para descobrimos novos sabores, novas combinações, mas com cuidado para não extrapolarmos.

EF. Quais os ingredientes que lhe dão mais prazer em trabalhar?
EP. Os de boa qualidade. Para mim, produtos de boa qualidade aliados à técnicas corretas respondam por 50% de acerto no preparo dos pratos. Os outros 50% vêm do talento do chef.

EF. Que tipo de cozinha você prefere?
EP. A italiana. Fui criado na cozinha do restaurante da minha mãe vendo-a fazer, junto com a minha avô, a boa cozinha italiana. Depois trabalhei por vários anos com o Sergio Arno, em São Paulo, que é quem, para mim, faz a melhor cozinha italiana do país.

EF. Suas atividades e seu sucesso como chef são inquestionáveis. Sente-se realizado com as atividades que desenvolveu?
EP. Sou uma pessoa privilegiada. Trabalho com o que gosto. Cozinho com amor e acho que dessa maneira consigo deixar as pessoas felizes. Sou uma pessoa de sorte.

Fonte:
REVISTA ESTAO FLASH - ESTAO FLASH EDITORA LTDA
ANO IV - N 6 - NOVEMBRO DE 2006